Programa da Record apresenta testemunha como ladra e é condenada a pagar indenização

02mar11

Os programas policiais das redes de televisão brasileiras são sensacionalistas, imprecisos e – na minha opinião – de muito mau gosto (se bem que ‘gosto não se discute’). Mas enquanto a questão não tomava contornos de desrespeito aos direitos de outros, não havia o que se reclamar, afinal, assiste quem quer.

Só que numa reportagem sobre um assalto ocorrido dentre de um shopping center, uma mulher, que havia sido testemunha dos fatos, teve sua imagem exibida pela rede como se fora responsável por eles. Isso mesmo: na frente de (sabe-se lá quantos) telespectadores, foi ela apresentada como ladra.

O nome do programa é ‘Balanço Geral’ e atualmente é apresentado pelo Wagner Montes (é, aquele mesmo que nos anos 80 comandava o programa ‘190 urgente’ e era invejado por ter casado com a ‘jurada’ mais famosa do Brasil – Sonia Lima -e acabou gravando até um disco chamado ‘Renascer’), só não sei se quando da falha supra citada (mostrar a testemunha como se fosse ladra), se o programa já era comandado por ele.

Voltando ao assunto: Carla Saraiva Barbedo teve sua face mostrada na tv como se fosse uma ladra e, por conta disso, propôs uma ação judicial visando o ressarcimento dos danos sofridos.

Em primeira instância teve seu pedido julgado procedente e a segunda instância (lógico que a rede de televisão recorreu!) confirmou a sentença. O relator do processo, Desembargador Celso Luiz de Matos Peres disse que:

“O mínimo interesse na apuração da matéria levaria a uma notícia diametralmente oposta: a de que a imagem veiculada era da testemunha dos fatos e não de uma das pessoas apontadas como suspeitas do delito. Exige-se aí, um mínimo de responsabilidade, não se podendo aceitar qualquer comportamento açodado e leviano por parte dos profissionais da imprensa”

Continue lendo >>>>