Para Senador, homossexuais e pedófilos são tudo ‘farinha do mesmo saco’

02mar11

Tácito disse que “a mais corrupta das Repúblicas é a que possui maior número de leis”, querendo, com isso, dizer que é possível medir a qualidade dos indivíduos de uma sociedade pelo número de leis que regulamentam as relações entre eles; quanto maior o número delas, piores seriam eles.

Eu gostaria de viver num mundo melhor; ou melhor: eu gostaria de viver num mundo de pessoas melhores. Onde não seria divertido espancar uma empregada doméstica (e , na defesa, alegar que achava que fosse uma prostituta), atear fogo em um índio (achando que era um mendigo); onde ninguém ousaria dizer que ‘a pedofilia tornaria padres mais humanos’ , onde pastores evangélicos não abusassem de crianças, onde ninguém expulsaria outro da igreja aos berros por causa de sua sexualidade, onde ninguém mataria um religioso pelo excesso de barullho, onde a cor de sua pele ou o que você faz com sua sexualidade não constituísse um diferencial no tratamento que dispensariam a você. Mas eu vivo no mundo real, não numa música do ‘John Lennon’.

As pessoas são estúpidas, burras, covardes e cruéis. E, como disse Aristóteles, sem um aperfeiçoamento moral, são o mais perigoso dos animais. Assim, por mais que isso me desagrade, tenho de admitir que certas leis são necessárias; pois ainda que tenhamos falhado miseravelmente na persuasão, talvez tenhamos mais sucesso pela força.

É neste sentido que enxergo o Projeto de Lei n.º 122/2006, mais conhecido como ‘Lei da homofobia’. Muitos juristas ‘torcem o nariz’, dizendo que ela é desnecessária, já que os bens que ela visa tutelar já são tutelados por outros dispositivos legais. Isso também ocorreu quando da edição da Lei 7.716/1989 (que define os crimes de preconceito racial), diziam que a lei maior (a constituição) já garantiria o direito à não-discriminação.

O que os juristas contrários à esse projeto não esclarecem de forma clara à população, e os religiosos insistem em esconder, é que ninguém será preso por ser homofóbico, assim como ninguém é preso por ser racista (eu realmente preciso escrever aquele artigo). Você pode muito bem odiar gays, achar que eles queimarão no fundo do Inferno, na companhia de Lúcifer e não estará cometendo ilícito penal algum (estará fora do alcance da lei), pois seus pensamentos e sentimentos são invioláveis. Você estará sujeito a alguma pena se seus atos externarem esse seu ódio.

Continue lendo >>>>