Escravidão mental

10jun08

 

Jail, prisão

…Os homens não querem unicamente a obediência das mulheres; eles querem seus sentimentos. Todos os homens, exceto os mais brutais, desejam encontrar na mulher mais próxima deles, não uma escrava conquistada à força, mas uma escrava voluntária; não uma simples escrava, mas a favorita.

Portanto eles colocam tudo o que for possível em prática para escravizar suas mentes. Os senhores de todos os outros escravos contam com o medo para manter a obediência: ou o medo deles mesmos ou o medo religioso. Os senhores de mulheres queriam mais do que simples obediência e eles usavam a força da educação para atingir seus propósitos.

Todas as mulheres são criadas, desde muito cedo, na crença de que seu caráter ideal é o oposto do caráter masculino: sem vontade própria e governadas pelo autocontrole, com submissão e permitindo serem controladas por outros.

Todas as moralidades e sentimentos afirmam que a obrigação da mulher é viver para os outros; abnegar-se completamente e viver somente para aqueles a quem está afeiçoada.

Aqueles a quem elas estão afeiçoadas são as únicas pessoas que elas têm – os homens com quem estão casadas ou as crianças que constituem um laço adicional e invencível entre elas e um homem.

Quando juntamos três coisas primeiro, a atração natural entre os sexos, segundo, a total dependência da esposa em relação ao marido, todos os privilégios ou prazeres que ela tem, seja um presente ou algo que depende inteiramente da vontade do marido; e, por último, que é o principal objetivo da busca humana, a consideração, e todos os objetos de ambição social, podem geralmente ser procurados ou obtidos por ela somente através do marido – seria um milagre se o fato de ser atraente para os homens não se tornasse a estrela da educação e formação do caráter feminino.

Uma vez adquirido esse excelente método de influência sobre as mentes das mulheres, um instinto de egoísmo fez com que os homens tirassem o máximo proveito disso como meio de manter as mulheres em estado de sujeição, fazendo-as imaginar que a mansidão, a submissão e a resignação de todos os desejos individuais deveriam ser colocados nas mãos de um homem, como uma parte essencial da atração sexual…”

John Stuart Mill
in “A Sujeição das Mulheres”

No tocante a sujeição de qualquer indivíduo a outro, partilho do pensamento de Frederick Douglass, que bem cedo entendeu que toda e qualquer escravidão só pode ser mantida à custa da mantença do subjugado no estado de ignorância.

Continue lendo >>>

Anúncios