Archive for março, 2008

  Parece que o episódio das caricaturas do profeta Maomé (algumas de extremo mau-gosto, de me permitem dizer) não será enterrado tão cedo. Já serviram elas de desculpas para atos violentos, parece que serão ainda utilizados por muito tempo. Anúncios


  Algumas feridas parecem não cicatrizar, são elas chagas abertas, a sangrar e doer o tempo todo. Um dos princípios de direito básicos em todas as Nações (e, conseqüentemente, aplicável também ao Direito Internacional) é o direito à vida, mas em todos os períodos da história humana o que mais observamos são episódios constantes de […]


  Caros leitores: Todos os dias, logo pela manhã, ao iniciar descer a Avenida perto de casa (sempre apressada), sempre sou abordada por um religioso ou religiosa com a seguinte frase: “Oi, moça, gostaria de ouvir um pouco da palavra de Deus” À esta oferta sempre oferto, de forma educada (como mamãe me ensinou 🙂 […]


  Prá quem não sabe o que é ‘jihad’ (às vezes referida como Jahad, Jehad, Jihaad, Jiaad, Djihad, ou Cihad – Língua árabe: جهاد‎ gihād) é um conceito essencial da religião islâmica. Não guarda muita relação com o que dela se afirma (que trata-se de uma espécie de ‘guerra santa’, similar às Cruzadas), é antes  […]


  Parece que juízes trabalham para prejudicar o povo por Miguel Vinícius Santos Como sempre faço, quando posso e tenho tempo, liguei o aparelho de televisão no canal 13, da TV Cultura, para assistir ao bom jornal de amplitude nacional. Ao fazer isto, aumentei o volume do aparelho, visto que uma celebridade jurídica estava ali […]


  Uma francesa de 52 anos, que sofre de um raro tumor incurável, entrou na Justiça para pedir o direito de morrer. O caso de Chantal Sébire, que pede autorização para que seu médico possa lhe administrar uma substância letal, reacendeu o debate jurídico sobre o direito à eutanásia na França. Sébire está com o […]


  Guatemala, 14 mar (EFE).- O presidente da Guatemala, Álvaro Colom, anunciou hoje seu veto à lei que recentemente restituiu a aplicação da pena de morte no país. Colom anunciou em entrevista coletiva sua decisão por considerar inconstitucional a lei e explicou que a devolveu ao Congresso para uma nova análise.