Poesia – Pablo Neruda

11dez07

Cabelos ao vento

Há pouco terminei o livro “Vinte poemas de amor e uma canção desesperada”, de Pablo Neruda.

Apreciei bastante os poemas, que revelaram um autor deliciosamente sensível.

Resolvi iniciar este post, para transcrever os poemas que mais me agradaram.

De início postarei apenas um, com o tempo complementarei o post com outros.

” Me falta tempo para celebrar teus cabelos.

Um por um devo contá-los e elogiá-los:

outros amantes querem viver com certos olhos,

eu só quero ser teu cabeleireiro.

Na Itália te batizaram de Medusa

pela arrepiada e alta luz de tua cabeleireira.

Eu te chamo de minha travessa emaranhada:

meu coração conhece as portas de teu pelo.

Quanto de extravias em teus próprios cabelos,

não me olvide, lembra que te amo,

não me deixe perdido partir sem tua cabeleireira

pelo mundo sombrio de todos os caminhos

que só tem sombra, de dores transitórias,

até que o sol suba a torre de teus pelos”

Como disse meu velho amigo, curioso como o poeta concentrou-se em apenas um dos atributos femininos.

🙂

:::::::::::

NOTA: os artigos sobre poesia doravante serão postados aqui:

http://palavrassemsentido.wordpress.com/

Anúncios


3 Responses to “Poesia – Pablo Neruda”

  1. Jorge:

    Quanto a Cd…que inveja! 🙂
    Acabei de terminar a leitura de Drummond e seu ‘Sentimentos do mundo’, de onde ressalvo o poema ”Canção de berço”. Ah, como é bonito!

    Quanto à insensibilidade humana, penso que tende a ficar pior, mas fazer o quê?

    Grande beijo e obrigada pela visita.
    🙂

  2. Tenho o livro e um cd gravado pelo próprio Neruda declamando estes poemas.

    Eu indico um outro livro dele, o “Versos do Capitão”.

    Quanto ao seu comentário no Recanto das Palavras, no post “Dia Internacional da Mulher: Tanto tiempo disfrutamos deste amor”, eu gostaria de dizer que concordo com suas palavras; apenas fazendo a ressalva que pessoas sem sensibilidade existem em ambos sexos. Nós, homens, também ficamos a ver navios de vez em quando por conta de uma mulher que, como Noel dizia, “Pra quê mentir se tu ainda não tens esse dom de saber iludir”.

    Também fiquei muito contente por suas palavras. Obrigado.

    Beijos.

  3. Gostaria de te convidar a dar uma olhadinha no post “Saudade”, que está no meu blog.

    http://recantodaspalavras.wordpress.com/2006/04/09/saudade/